Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DIVAGAR DEVAGAR-2

Na lonjura do horizonte a busca etérea da luminosidade espiritual...da doçura do sonho, às agruras da realidade.Palavras e imagens que, devagar, divagam entre ignotas luzes, sombras e penumbras, de ciclos de vidas incertas e perdidas.

Na lonjura do horizonte a busca etérea da luminosidade espiritual...da doçura do sonho, às agruras da realidade.Palavras e imagens que, devagar, divagam entre ignotas luzes, sombras e penumbras, de ciclos de vidas incertas e perdidas.

Momento Poético - 48

mão.gif

                          (imagem partilhada do Google)

 

que resta dos beijos poisados...

 

 

Solenemente

poisámos os beijos na prateleira

na profundidade espumosa

das flores que se estiolavam

no cendal dos nossos sonhos.

 

Perderam-se

nas acendalhas do esquecimento

tantos factos diluídos na saliva

escorregadia do champanhe

resgatado em cada dança festiva

tangos e passe dobles incansáveis

num rodopio de eternidade dissipada.

 

A loucura do frenesi sensual

povoou os dias sem lembranças

numa vida de sustos adiados

dos corpos ridentes

deambulando as margens erráticas

das veredas do desatino.

 

Dos beijos poisados

resta o sabor espumoso dos dias

o aroma das flores

violadas por insectos aleatórios.

 

Que importa agora

o sabor ígneo

que desagua

nos lábios famintos

de sonhos ultrajados

na polinização dos nossos

desejos aureolados

de  alucinada esperança.

 

Já não existirá

a magia do sabor dos beijos

e numa errática trajectória

a vida continuará para além

da solene dança das horas.

 

Aqui

            ali

                        acolá

restarão a lava e o rasto

duma memória

que os deuses

um dia descobrirão

para reconstruir

as costelas de futuras gerações.

 

(batista_oliveira - 02/06/2016)

 

Momento Poético - 47

 

digitalizar0150.jpg

 

(Corria o ano de 1973, tinha os meus 21 anos e namorava uma jovem, para quem compus este soneto, em acróstico. Bom ou mau foi a minha dedicatória que hoje relembro, com imenso amor, pois continuo a ser um sentimental...eternamente apaixonado)

 

          Ter… dom… 

 

Tens a graciosidade das gaivotas

Em voos coloridos sobre o mar,

Recordas a esbelteza dessas frotas

Em busca doutros mundos, por achar.

 

Sorris como o sol em praias remotas!

Adoro teus cabelos a escaldar

Dívidas dum amor – ânsias ignotas!

Oh, como gostaria de sonhar

 

Mergulhado em teus braços de ternura!

Iria, com certeza, reviver,

Nesse ninho, os momentos de doçura

 

Gravados na lembrança de menino!

Oh, como gostaria de te ver

Sentir comigo o amor! Ambos, sem tino!…

 

(batista_oliveira - 25/01/73)

 

DSCF4598.JPG

(As fotos são de minha autoria e são uma mensagem de amor à minha esposa, a jovem a quem dediquei o soneto, nos idos de 1973)

 

Momento Poético - 46

amor-tumblr-de-maos-dadas.jpg

                                  (imagem partilhada do Google)

                                                                                 

O meu mundo gira à tua volta

 

 

Quero ciciar-te baixinho,

na ternura dum beijo sorrateiro,

que sem ti sou jardim estéril

sem flores,

a morte de um perfil de asa,

o ledo coração que se extravasa

na angústia momentânea duma síncope,

libélula acetinada sem asas,

árida seara com a morte disseminada

nas raízes da penedia solta

impregnada de estiolados musgos.

 

Quero rezar-te docemente ao ouvido

aquela grácil, significativa e suave palavra

que apenas há dois anos e pouco te digo

num murmúrio contínuo e sussurrante,

mas jamais esquecerei e cansarei de rezar-te.

 

O mundo que nos rodeia

deve urgentemente conhecer

que duas flores vivendo numa raiz comum

têm igual sede e fome de amor.

Se alguma fenece a outra

corresponde-lhe, num gesto de simpatia global,

dobrando-se carinhosamente sobre ela

no beijo da inseparação eterna.

 

Reconheço em toda a luz

que se reflecte na minha razão,

que tudo quanto me faz viver, amar,

sonhar, sorrir,

cantar, gritar,

tudo me faz tocar as tuas raízes, amor,

tudo se relaciona contigo.

Por tudo isso, amor, concluí, na leveza

dum gesto de asa,

que tu és o centro da minha vida…

O  meu mundo gira à tua volta.

 

(batista_oliveira - 30-03-75)

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D